Sobre nós

Sou professor graduado em Normal Superior pós-graduado em psicopedagogia Clínica e Institucional, há uma decáda  e meia milito na área de educação, nas séries iniciais do ensino fundamental.

 

A Psicopedagogia Clinica e Institucional possui um campo do conhecimento multidisciplinar que integra diferentes áreas de modo coerente. Tem como meta adquirir uma ampla compreensão sobre os variados processos inerentes ao aprender humano e os processos deaprendizagem. Abrange o âmbito escolar, a família e a comunidade, atuando terapeuticamente e de forma preventiva para identificar, analisar, planejar e intervir por meio das etapas de diagnóstico e tratamento. Considerando-se as atuais Diretrizes Curriculares para os cursos de Psicologia no Brasil, bem como o Projeto Político Pedagógico da Metodista, o curso de Psicopedagogia Clinica e Institucional tem como objetivo formarespecialistas envolvidos com a ética e fundamentação científica acumulada e em desenvolvimento, capaz decompreender o impacto de sua atuação para o beestar da sociedade como um todo podendo atuar em doisenfoques: 


Clínico: desenvolver competências e habilidades no aluno, preparando-o para trabalhar na identificação, análise e na elaboração de uma metodologia dediagnóstico e de intervenção/orientação (individual, grupal, familiar e dos profissionais envolvidos) nas questões que envolvem a aprendizagem humana.

Institucionalconsiderando-se que o objeto de estudo é a pessoa em desenvolvimento e as alterações de tais processos, buscar-se-á desenvolver competências ehabilidades no aluno para que este seja capaz defocalizar as possibilidades do aprender, num sentido amplo, não se restringindo a uma só agência, isto é, aeducação formal, mas possibilitando a atuação preventiva do psicopedagogo na comunidade (ONGs, hospitais,empresas, creches, família).

Você pode ressaltar uma informação ou anúncios importantes no texto, tal como demonstrado nesta frase.

 A construção da escrita

 
Sob o prisma europeu, o primeiro período das gêneses criativa do homem começa com o seu surgimento na terra, há cerca de 3,6 milhões de anos, até o aparecimento da escrita. Este primeiro marco da evolução humana corresponde ao que nós conhecemos por período da pré-história.
Este mesmo passado pré-histórico remete-nos para o princípio do símbolo, ou aquilo a que comumente se designa por imagem simples, cujas manifestações mais significativas podem ser encontradas nas pinturas rupestres.
Quando falamos da passagem da escrita ideográfica para a escrita alfabética, em que cada letra apresenta um som numa linguagem de letras que se combinam para formar palavras, não devemos falar de uma descoberta, mas antes de um lento processo evolutivo.
Nas sociedades letradas, as crianças, desde os primeiros meses, estão em permanente contato com a linguagem escrita. É por meio desse contato diversificado em seu ambiente social que as crianças podem fazer, a partir de dois ou três anos de idade, uma série de perguntas, como “O que está escrito aqui?” ou “que isto quer dizer”, indicando sua reflexão sobre a função e o significado da escrita, ao perceberem que ela representa algo.
Sabe-se, que para aprender a escrever a criança terá de lidar com dois processos de aprendizagem paralelos: o da natureza do sistema de escrita da língua – o que a escrita representa como – e o das características da linguagem que se usa para escrever. A aprendizagem da linguagem escrita está intrinsecamente associada ao contato com textos diversos para que as crianças possam construir sua capacidade de ler, e às práticas de escrita, para que possam desenvolver a capacidade de escrever autonomamente.
De acordo com FERREIRO, ( ) “as crianças não aprendem simplesmente porque vêem os outros ler e escrever , e sim porque tentam compreender que classe de atividade é essa. As crianças não aprendem simplesmente porque vêem letra escritas e sim porque se propõem a compreender porque essas marcas gráficas são diferentes das outras. Elas não aprendem apenas por terem lápis e papel à disposição e sim porque buscam compreender o que é que se pode obter com esses instrumentos.Em resumo: não aprendem simplesmente porque vêem e escutam e sim porque elaboram o que recebem, porque trabalham cognitivamente com o meio que lhe oferece. 
 
A observação e análise das produções escritas das crianças revelam que elas tomam consciência, gradativamente, das características formais dessa língua. Constata-se que desde muito pequenas, as crianças podem usar o lápis e o papel para imprimir marcas, imitando a escrita dos mais velhos, assim com utilizam-se dos livros, revistas, jornais, gibis rótulos etc. para ler o que está escrito. Não é raro observar as crianças muito pequenas, que tem contato com material escrito, folhear livro e emitir sons e fazer gestos como se estivessem lendo. Elas elaboram uma série de ideias e hipóteses provisórias antes de compreender o sistema escrito em toda sua complexidade.
Todavia, sabe-se também que as hipóteses elaboradas pelas crianças em seu processo de construção de conhecimento não são idênticos em uma mesma idade, porque dependem do grau de letramento de seu ambiente social, ou seja, da importância que tem a escrita no meio em que vivem e das práticas sociais de leitura e escrita que podem presenciar e participar.
           No processo de construção dessa aprendizagem as crianças cometem “erros” nessa perspectiva, não são vistos como faltas ou equívocos, eles são esperados, pois se referem a um momento evolutivo no processo de aprendizagem das crianças. Elas têm um importante papel no processo de ensino, porque informam o adulto sobre o modo próprio de as crianças pensarem, uma vez que só escrevendo é possível enfrentar certas contradições. Como por exemplo, se algumas crianças pensam que não é possível escrever com menos de três letras, e pensam, ao mesmo tempo, que para escrever “gato” é necessário duas letras, estabelecendo uma equivalência com as duas sílabas da palavra gato, precisam resolver essa contradição criando uma forma de grafar que acomode a contradição enquanto ainda não é possível traspassá-la.
           A primeira distinção que estabelecerão refere-se à diferenciação entre os desenhos, por um lado outros signos, como letras, números e grafias diversas. Portanto, as primeiras grafias infantis ao escrever colocam alguns signos que já não são desenhos, mas tampouco letras convencionais. São grafias que tentam se parecer com as letras, com maior ou menos sucesso. Quanto à distinção entre letras e números, a criança logo notará que há dois tipos de símbolos, além dos desenhos, letras e números. Inicialmente utilizam indistintamente.
 
A aprendizagem é um processo de apropriação do conhecimento que só é possível pelo pensar e agir do sujeito sobre o objeto que ele quer conhecer. Portanto, o conhecimento da lectoescrita se da a partir do contato entre esta criança e os objetos escritos. Apesar das diferenças individuais, ao tentar compreender o sistema de escrita e a sua função, a criança em contato com este objeto (a escrita), formula teoria metodologia e gramáticas próprias num processo lógico e coerente que imagina ser sua língua e que executou como algo real e compreensivo por todos (RUSSO; VIAN 1995, p.27.)
 
Sabe-se que escrever supõe tomada de decisão acerca do que vai ser escrito, como será escrito, quais letras devem ser empregadas. Considera-se que os fonemas são as unidades sonoras básicas da linguagem que contém significado, no entanto, não se encerram, já que certos grupos de traços fonéticos estão sujeitos a regras de pronuncia de que nossa língua dispõe não previsível a partir de regras de conversão fonema-grafema.
Na década de 80, a pesquisadora argentina Emília Ferreiro contribuiu para que ocorresse o avanço cientifico no que diz respeito à compreensão do processo de aquisição de escrita alfabética pelas crianças, tomando por base dos estudos desenvolvidos por Jean Piaget. Ferreiro demonstrou, de forma contundente, que as crianças constroem varias concepções de escrita antes de atingirem a compreensão do adulto já alfabetizado acerca do nosso sistema de escrita, comprovando que existem formas simples de identificarmos as ideias da criança sobre a escrita, necessitando, portanto, interpretar os erros que elas costumam fazer quando escrevem e lêem.
É importante compreender que sem uma concreta estrutura de exterioridade passada (riquezas de experiências vividas, de um bom vocabulário) será mais difícil para a criança aprender a codificar e decodificar, afinal ler e escrever é apenas um dos aspectos do crescimento individual da criança.
O que vem ocorrendo nas práxis- pedagógicas, por um lado é que elas não concebem a leitura como um processo construtivo e seqüenciado que depende da globalidade das ações do sujeito na construção do seu próprio conhecimento. (LIMA 1999, p.64)
Em qualquer época da vida as pessoas podem manifestar dificuldades de aprendizagem e englobaria um grupo heterogêneo de transtornos que se manifestariam, em dificuldades, em tarefas cognitivas, podendo ocorrer em pessoas normais, sem problemas visuais, auditivos ou motores, além de se manifestarem concomitantemente a eles.  Podem ocorrer ainda dificuldades, momentâneas e ou em áreas específicas, abrangendo várias áreas do conhecimento.
Ao se falar em dificuldade de aprendizagem, não se pode deixar de considerar que historicamente, a atenção nesse campo era mais voltada para as crianças, devido à defasagem em todos ou alguns materiais específicos ou a um comportamento considerado inadequado. De certa forma, eram esses os critérios que orientavam a classificação das crianças com dificuldades de aprendizagem. Com isso, não existe uma definição aceita universalmente de que seria considerada uma dificuldade de aprendizagem devido à heterogeneidade de sintomas.
De acordo com Weiss (2003),
 
O conhecimento da psicogênese considera o avanço e continua a exigência com aquilo que a criança pensa e trabalha a partir de onde ele está, e imagina que ele tem que aprender bastante, mas esse bastante tem que ser relevante de onde ele começou.
 
Estar alfabetizado implica em dominar e usar a língua escrita, para resolver problemas do cotidiano, para aprender a aprender, buscando informações em diferentes fontes, analisando-as e aprimorando-se cognitivamente, e mais, utilizar-se de textos variados referenciais ou não, para simples lazer, estudo ou formação.
A seguir investigaremos o pensamento da criança em relação à língua escrita. Acompanhemos a descrição feita por Emília Ferreiro e Ana Teberosky sobre o caminho que o aprendiz percorre em níveis de aprendizagem conceitual.
 
4.1.1 Nível pré-silábico
Surgem as primeiras manifestações gráficas (rabiscos, garatujas, desenhos e letras); não há correspondência som/grafia; as letras são aprendidas na interação com a língua escrita (não são inventadas); realismo nominal (correspondência entre objeto e escrita).
[...] a intenção subjetiva do escritor conta mais que as diferenças objetivas no resultado: todas as escritas se assemelham muito entre si, o que não impede que as crianças considerem como diferentes visto que a intenção que presidiu a sua realização era diferente (se quis escrever a palavra num caso e outra palavra noutro caso[...] FERREIRO, TEBEROSKY, 1999, p. 93.
 
4.1.2 Nível silábico
Caracteriza grande avanço conceitual na aquisição da escrita; inicialmente a escrita silábica não apresenta correspondência sonora; posteriormente a faz entre a sílaba e a omissão oral; ouve e grafa os sons parcialmente.
 
4.1.3 Nível silábico alfabético
Caracteriza-se pela transição do nível silábico para o alfabeto; a criança descobre que as sílabas são construídas de letras; momento em que o educando oscila, ora grafando a sílaba completa, ora parcialmente.
 
[...] a criança abandona a hipótese silábica e descobre a necessidade de fazer uma analise que vá “mais além” da sílaba pelo conflito entre a hipótese silábica e a exigência de quantidade mínima de granas (ambas as exigências puramente internas no sentido de serem hipóteses originais da criança) e o conflito entre as formas gráficas que o meio lhe propõe e a leitura dessas formas em temos de hipóteses silábica (conflito entre uma exigência interna e uma realidade exterior ao próprio sujeito) (FERREIRO; TEBEROSKY 1999, p, 214)
 
4.1.4 Nível alfabético
É marcado pela consolidação da base alfabética, ou seja, também chamada de escrita fonética, ou ainda se escreve como se fala; nesta fase a criança faz a correspondência entre fonema e grafema, ouvindo e registrando todos os sons que compõem a palavra, independente de convencionalidade da língua (ortografia).
Assim, construída a base alfabética, outras dificuldades e outros desafios se imporão aos discentes: as questões ortográficas da língua escrita.

Silva. Antonio Carlos, DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM NA ESCRITA: entraves e frustrações no ensino fundamental.FACULDADE REGIONAL DE FILOSOFIA CIÊNCIAS E LETRAS DE CANDEIAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL.2010, p27-32

Notícias

O que é o Diagnóstico Psicopedagógico

24-02-2013 13:45
  O diagnóstico psicopedagógico é, sem dúvida o ponto de partida para uma tentativa de compreensão das dificuldades de aprendizagem. A tarefa diagnóstica, tanto em nível institucional quanto clínico, é, indispensável ao psicopedagogo, pois o auxiliará na tomada de decisões. Constitui, na...

Família & Escola

02-03-2012 16:48

Entrevistando um Psicopedagogo

07-11-2010 16:59
 A psicopedagogia é um campo de conhecimento e atuação em Saúde e Educação  que trabalha com o processo aprendizagem humana, seus padrões normais e patológicos, considerando a influencia do meio-família , escola e sociedade, no seu desenvolvimento, utilizando procedimentos próprios....

Nota aos visitantes

13-09-2010 23:55
SEJA BEM VINDO! VOLTE SEMPRE!

Site aberto ao público

13-09-2010 23:54
A nossa nova página de Internet foi lançada pela grande necessidade de informar aos estudantes, professores e pesquisadores em geram, a temática que vem emergindo no país. Educar, com valores éticos e morais. Métodos de alfabetização Relacionar as diversas concepções e métodos de alfabetização aos...

O que é psicopedagógia?

O que é psicopedagogia?

02-03-2012 16:32
  Vivenciar Psicopedagogia é um estado de ser e estar sempre em formação, projetação e em processo de criação. O que é psicopedagogia? De leigos a estudantes de psicopedagogia, muitos ainda questionam sobre a função do psicopedagogo nos diversos âmbitos: educação, saúde, ação social,...

História do Projeto

 

Os primeiros Centros Psicopedagógicos foram fundados na Europa, em 1946, por J. Boutonier e George Mauco, com direção médica e pedagógica. Estes Centros uniam conhecimentos da área de Psicologia, Psicanálise e Pedagogia, onde tentavam readaptar crianças com comportamentos socialmente inadequados na escola ou no lar, e atender indivíduos com dificuldades de aprendizagem.
Esperava-se através desta união Psicologia-Psicanálise-Pedagogia, conhecer a criança e o seu meio, para que fosse possível compreender a dificuldade de aprendizagem para determinar uma ação reeducadora e, diferenciar os que não aprendiam, apesar de serem inteligentes, daqueles que apresentavam alguma deficiência mental, física ou sensorial. No início a psicopedagogia teve uma trajetória de caráter médico-pedagógico. Hoje essas ações são independentes, mas complementares.
No final do século XIX educadores, psiquiatras e neuro-psiquiatras preocuparam-se com as variantes que interferiam na aprendizagem e começaram a organizar novos métodos para a educação infantil. Nesta época apontaram como grandes colaboradores Seguin, Esquirol, Montessori e Decroly, entre outros.
            Nos Estados Unidos, o mesmo movimento se desenrolava, porém a ênfase dada era maior nos aspectos médicos, dando um caráter biológico à abordagem das dificuldades de aprendizagem.
            Na Europa o movimento originou a Psicopedagogia. Na outra vertente, o movimento americano proliferou a crença de que os problemas de aprendizagem tinham causas orgânicas e precisavam de atendimento especializado, o que influenciou parte do movimento da Psicologia Escolar. A corrente européia influenciou a Argentina, que passou a cuidar de suas pessoas portadoras de dificuldade de aprendizagem, há mais de 30 anos, realizando um trabalho de reeducação. Os conhecimentos da Psicanálise e da Psicologia Genética, além de todo o conhecimento de linguagem e de psicomotricidade, eram acionados para melhorar a compreensão das referidas dificuldades.
A psicopedagogia chegou ao Brasil em uma época, década de 70, cujas dificuldades de aprendizagem eram associadas a uma disfunção neurológica denominada de disfunção cerebral mínima (DCM) que virou moda neste período, servindo para camuflar problemas sociopedagógicos.
Sampaio1 confirma que o Brasil recebeu influências tanto americanas, quanto européias, através da Argentina. Notadamente no sul do país, a entrada dos estudos de Quirós, Jacob Feldmann, Sara Paín, Alicia Fernández, Ana Maria Muñiz e Jorge Visca, enriqueceu o desenvolvimento desta área de conhecimento no Brasil.
Temos o professor argentino Jorge Visca como um dos maiores contribuintes da difusão psicopedagógica no Brasil. Foi o criador da Epistemologia Convergente, uma linha teórica que propõe um trabalho com a aprendizagem utilizando-se da integração de três linhas da Psicologia: Psicogenética de Piaget; Escola Psicanalítica (Freud); e a Escola de Psicologia Social de Enrique Pichon Rivière. Visca propõe o trabalho com a aprendizagem em que o principal objeto de estudo são os níveis de inteligência, com as teorizações da psicanálise sobre as manifestações emocionais que representam seu interesse.
A Psicopedagogia é um corpo de conhecimentos estruturada de diferentes maneiras. A seguir destacamos algumas.
De acordo com Alves e Bossa2  a Psicopedagogia é um campo no qual floresceu o conceito de sujeito autor, é uma área de estudo interdisciplinar que olha para o sujeito como um todo no contexto no qual está inserido, que estuda os caminhos do sujeito que aprende e apreende, adquire, elabora, saboreia e transforma em saber o conhecimento. A concepção de sujeito autor como aquele que constrói seu pensamento se faz presente através de um “corpo” que sente, existe, ama e proclama sua liberdade de ser, de estar e viver no eterno presente, no eterno agora.
Para Bossa3 a Psicopedagogia é concebida com uma configuração clínica, ainda que sua prática se dê em um enfoque preventivo e, esse caráter clínico significa levar em conta a singularidade do processo a ser investigado, recorrendo tanto aos diagnósticos e intervenções que lhe são comuns no trabalho institucional e clínico. Para a autora, o termo distingue-se em três conotações: como uma prática, como um campo de investigação do ato de aprender e como uma saber científico. A Psicopedagogia é entendida como uma área de aplicação que antecede o status de área de estudos, a qual tem procurado sistematizar um corpo teórico próprio, definir o seu objeto de estudo, delimitar o seu campo de atuação, e para isso recorrer à Psicologia, Psicanálise, Lingüística, Fonoaudiologia, Medicina, Pedagogia.
Segundo a autora, a Psicopedagogia deve se ocupar do estudo da aprendizagem humana e portanto, preocupar-se inicialmente com o processo de aprendizagem (como se aprende, como essa aprendizagem varia evolutivamente e está condicionada por diversos fatores, como se produzem as alterações na aprendizagem, como reconhece-las, tratá-las e preveni-las). Seu objeto de estudo é, portanto, um sujeito a ser estudado por outro sujeito. Esse estudo pode ser através de um trabalho clínico ou preventivo. O primeiro se dá na relação entre um sujeito com sua história pessoal e sua modalidade de aprendizagem buscando compreender a mensagem de outro sujeito, implícita no não-aprender. Nesse processo, investigador e objeto-sujeito interagem constantemente. No segundo, a instituição (espaço físico e psíquico da aprendizagem) é objeto de estudos uma vez que são avaliados os processos didático-meto-dológicos e a dinâmica institucional que interferem no processo de aprendizagem.
            Ainda, segundo a autora3 (p. 30), na sua função preventiva, cabe ao profissional: detectar possíveis perturbações no processo de aprendizagem; participar da dinâmica das relações da comunidade educativa, a fim de favorecer processos de integração e troca; promover orientações metodológicas de acordo com as característica dos indivíduos e grupos; realizar processos de orientação educacional, vocacional e ocupacional, tanto na forma individual quanto em grupo.
Segundo Scoz4, a Psicopedagogia é uma área que estuda e lida com o processo de aprendizagem e suas dificuldades e que, numa ação profissional deve englobar vários campos do conhecimento integrando-os e sintetizando-os. Para a autora, a grande questão das escolas é encontrar caminhos que possibilitem ao professor a revisão de sua própria prática descobrindo alternativas possíveis para melhorar sua ação. Isso só é possível se o profissional da educação tiver acesso às informações das várias ciências - Pedagogia, Psicologia, Sociologia, Psicolingüística, de forma a atingir um conhecimento profundo vinculado a realidade educacional que, possibilite uma visão global do aluno.
Para Neves apud Bossa3 (p. 19) “a psicopedagogia estuda o ato de aprender e ensinar, levando sempre em conta as realidades interna e externa da aprendizagem, tomadas em conjunto. E, mais, procurando colocar em pé de igualdade os aspectos cognitivos, afetivos e sociais que lhe estão implícitos”. Para Weiss apud Bossa3 (p. 20) ela “busca a melhoria das relações com a aprendizagem, assim como a melhor qualidade na construção da própria aprendizagem de alunos e educadores”.
Segundo Macedo apud Bossa3 (p. 31) as atividades do psicopedagogo são: orientação de estudos (organizar a vida escolar da criança quando esta não sabe faze-lo espontaneamente); apropriação dos conteúdos escolares (propiciar o domínio de disciplinas escolares em que a criança não vem tendo um bom aproveitamento); desenvolvimento do raciocínio (trabalhos realizado com o processo de pensamento necessário ao ato de aprender); atendimento de crianças (atender deficientes mentais, autistas ou com comprometimentos orgânicos mais graves).
            Meny apud Bossa3 (p. 31-32) destaca as seguintes especificidades do trabalho: o “distúrbio de aprendizagem” é encarado como uma manifestação de uma perturbação que envolve a totalidade da personalidade; o desenvolvimento infantil é considerado a partir de uma perspectiva dinâmica, e é dentro dessa evolução dinâmica que o sintoma “distúrbio de aprendizagem” é estudado; a neutralidade do papel de psicopedagogo é negada e este conhece a importância da relação transferencial entre o profissional e o sujeito da aprendizagem; objetivo do psicopedagogo é levar o sujeito a reintegrar-se à vida escolar normal, respeitando as suas possibilidades e interesses. 
Finalizamos, entende-se que Psicopedagogia é um campo do conhecimento que se propõe a integrar, de modo coerente, conhecimentos e princípios de diferentes Ciências Humanas com a meta de adquirir uma ampla compreensão sobre os variados processos inerentes ao aprender humano. Enquanto área de conhecimento multidisciplinar, interessa a Psicopedagogia compreender como ocorrem os processos de aprendizagem e entender as possíveis dificuldades, situadas neste movimento. Para tal, faz uso da integração e síntese de vários campos do conhecimento, tais como Psicologia, Psicanálise, Filosofia, Psicologia Transpessoal, Pedagogia, Neurologia, e outros. Ao psicopedagogo cabe o papel fundamental de ser mediador nos processos de transmissão e apropriação dos conhecimentos.



REFERÊNCIAS

   1. SAMPAIO, Simaia. Um pouco da história da psicopedagogia. Disponível em: http://www.psicopedagogia.com.br/opiniao/opiniao.asp?entrID=422 Acessado em Nov. 2006

Nossos utilizadores

Sou Antonio Karllos, graduado em Normal Superior,pela FTC ead, pós graduado em Psicopedagogia Clínica e Instituição pela FAC- Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Candeias

Aqui vocêfica beminformado.Volte sempre